Bioabsorventes e coletores menstruais

Com o advento do capitalismo patriarcal e do crescimento de pólos urbanos, os ciclos femininos passaram a ser vistos de forma pejorativa. Mulheres começaram a ser ensinadas a odiarem seus corpos, seus pelos, seu sangue, e foram cada vez mais distanciando-se da natureza e dessas práticas rituais. Passando o sangue menstrual a ser visto como algo inconveniente e sujo, e com a busca crescente por praticidade na rotina da mulher urbana, no final do século XX foi criado o primeiro modelo de absorvente descartável.

Uma mulher usa, em média, 10 mil absorventes descartáveis durante toda a sua vida. Ainda que tenham melhorado relativamente a qualidade de vida de algumas mulheres desde sua invenção (no final do século XX), os absorventes descartáveis começaram a apresentar alguns danos à saúde da mulher - alergias, odores incomuns etc. -, além de não serem sustentáveis - enquanto absorventes internos levam cerca de 1 ano para se degradar na natureza, os externos levam 100 anos. Hoje em dia, não se adaptando aos absorventes descartáveis, algumas mulheres passaram a utilizar bioabsorventes ou coletores menstruais

Os bioabsorventes são reutilizáveis e geralmente feitos de tecido, em vários tamanhos. Ele é colocado na calcinha, como os absorventes convencionais, e deve ser lavado pelo menos 2 vezes por dia, dependendo do fluxo menstrual. Há alguns vendidos pela empresa La Pachamama, mas é possível fazê-lo manualmente, como mostram alguns vídeos.

Os coletores menstruais são materiais produzidos em TPE ou silicone medicinal, hipoalergênicos e também reutilizáveis. Por não permitir que o sangue menstrual tenha contato com o ar ou fique muito tempo em contato com a pele, com o uso do coletor, o sangue não apresenta odor e as incidências de alergias na região genital diminuem. Além disso, outra vantagem do coletor menstrual é a possibilidade de se praticar exercícios físicos sem incômodos.

No corpo, o coletor é inserido no canal vaginal, ficando abaixo do colo do útero, geralmente mais baixo que os absorventes internos. Ao ser inserido, com a ajuda de algumas dobras (como exemplificado abaixo), deve ser formado um vácuo, de modo que ele não saia e o sangue não vaze. Algumas mulheres têm dificuldades de inseri-lo e é comum que vaze nas primeiras tentativas, mas comprando o coletor de tamanho certo para cada uma e praticando as dobras, logo não terá mais problemas.


Recomenda-se que o sangue seja despejado e o coletor lavado (com água corrente e sabão neutro) a cada 6 horas, podendo ficar por até 12 horas no corpo. No fim da menstruação, ele deve ser lavado e fervido em água, em panelas esmaltadas (se fervido no fogão) ou em potes de vidro devidamente higienizados (se fervido no forno microondas). Alguns dos coletores e sites recomendados pelo grupo no facebook "Coletores Brasil - menstrual cups" são: InCicloMeLunaVai de Copinho e Copinho das Divas. Nesses sites, também são encontradas panelas esmaltadas.


0 comentários:

Postar um comentário

 


Lua que sente, sabe, quer.
Quiescente, visceral, mulher.

Quem escreve?
Raissa, INFP, libriana com ascendente e lua em Leão.
Amante da psicologia, apotecária da floresta, aprendiz de alquimista.
Ovolactovegetariana, lunática, curiosa.

Tecendo a Psique | Apotecários da Floresta